Como manter meu cérebro jovem?

By

O funcionamento perfeito do cérebro é fundamental para o viver bem. Para realizar isso é necessário desenvolver maneiras novas de aprendizados, como por exemplo, aprender um novo idioma. Saiba mais em nossa matéria!!!

Experiência rica de aprendizado

Aprender uma nova língua envolve estudar estruturas gramaticais, tempos verbais, riqueza de vocabulário e diversos outros elementos. Tudo isso mexe em diversas áreas do cérebro. Por outro lado, além de aprender uma nova língua, você melhora o seu vocabulário principal, afinal para conhecer uma nova estrutura, você precisa saber mais do sua de origem.

Contato com outras culturas

As viagens fazem parte da rotina de muitos aposentados. Quando fala outro idioma, essas viagens tornam-se ainda mais recompensadoras, pois será possível mergulhar na cultura do país de maneira mais completa.

Novas experiências e oportunidades

Aprender um novo idioma ou conhecer mais profundamente a vida de pessoas de outros países, enriquece não apenas o repertório, como a alma.

Alimentação adequada

A alimentação correta também pode ter um papel fundamental na juventude do cérebro. Um exemplo é a ilha japonesa de Okinawa, um local onde há um número alto de pessoas que passaram dos cem anos de idade e as taxas de demência podem ser até 50% mais baixas do que nos países ocidentais.

Alguns cientistas acreditam que um dos alimentos preferidos dos moradores da ilha tem um papel muito importante para toda esta saúde: a batata-doce roxa (que tem essa cor em seu interior e não apenas na casca).

Seu cérebro realiza novas conexões

Um estudo publicado pelo MIT indicou que adultos que praticaram chinês durante 9 meses tiveram mudanças na estrutura da massa branca do cérebro frente aos voluntários que não estudaram nenhuma língua. Esse resultado mostra que, mesmo mais velhos, os seres humanos podem estabelecer novas conexões neurais e continuar aprendendo.

Por falar tanto em cérebro: demência, aqui não!

Por fim, mas não menos importante, está o fato de que aprender uma segunda língua pode afastar os sintomas de demência por até 5 anos. Ao analisar um grupo de 648 pacientes que sofrem de demência, os cientistas descobriram que aqueles que falavam mais de um idioma desenvolveram os sintomas, em média, 4,5 anos depois daqueles que só conheciam uma língua.

Deixe um Comentário

Seu endereço de e-mail não será publicado.

You may also like