memoria-como-conservar-atraves-da-pratica-de-exercicios

Memória: Como conservar através da prática de exercícios

By
Falta de atividades físicas, mentais e emocionais cotidianas estão entre as principais causas da perda de memória em pessoas da terceira idade.
Conforme cresce a expectativa de vida da população, são cada vez mais comuns casos de idosos com problemas de memória. Especialistas defendem que nem sempre esses episódios estão relacionados a doenças degenerativas ou casos de demência, mas, sim, à falta de exercícios mentais.

Doenças Cognitivas relacionadas a mente

A população no Brasil está envelhecendo gradativamente. Nos últimos 77 anos, a expectativa de vida do brasileiro aumentou 30,5 anos. Segundo o IBGE, a expectativa de vida era de 45,5 anos em 1940 – 42,9 anos para homens e 48,3 anos para mulheres. Hoje, é de 76 anos. Uma pesquisa da Fapesp aponta que, em 2025, o Brasil terá a sexta maior população de idosos no mundo. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a tendência é que o número de pessoas com algum tipo de demência triplique até 2050, passando de 50 milhões para 152 milhões. A demência é um “termo guarda-chuva”, que pode incluir diversas doenças que são principalmente progressivas e afetam a memória, além de outras habilidades cognitivas e comportamentais.

Memória emocional

A geriatra Daiane Buglio, de Rio Preto, diz que a perda de memória é uma queixa que tem se tornado cada vez mais comum em seu consultório – e que até tem afetado pessoas na meia-idade. “Existem cinco tipos de demências diferentes que afetam as pessoas mais idosas e são diversos os fatores que podem provocar os lapsos de esquecimentos”, diz.

O Mal de Alzheimer ainda é a principal causa de perda de memória em idosos, mas ele não é único motivo, já que a falta de atividades físicas e mentais e até questões emocionais influenciam para quadros de esquecimentos, conforme explica o psiquiatra Hururay Barroso. “Há três coisas que precisamos manter depois dos 60 anos: mobilidade, energia e lucidez”, sinaliza. “E todas elas estão associadas à falta de atividades diárias. Quando a pessoa é dominada pela rotina, os quadros de esquecimentos podem ser mais recorrentes.”

O psiquiatra declara que existem três tipos de fatores que influenciam para a perda da capacidade cognitiva das pessoas. A primeira consiste na falta da prática de exercícios físicos. A segunda causa é a falta de atividade intelectual, que pode ser a prática da leitura, o ato de conversar, ou mesmo participar de alguma tarefa que exija determinado grau de raciocínio. “O cérebro não é um músculo, no entanto, à medida que você deixa de exercer certas atividades, as conexões entre os neurônicos vão diminuindo até que se apaguem.”

Por fim, Barroso relaciona a atividade emocional. Na visão dele, essa é a mais importante de todas, pois ela é a que provoca a sensação de ter um propósito. “As atividades emocionais são mais eficientes junto ao cérebro. Naquela pessoa que se sente útil, o risco de perda de memória é quase zero.”

Exercícios e equilíbrio emocional

O psiquiatra defende ainda que a dança é uma das atividades físicas mais completas que existem, pois ela trabalha o equilíbrio, a parte emocional e ainda promove a interação com outras pessoas. “Essa é uma das melhores atividades neurológicas preventivas de transtorno mental e emocional.”

Jovens também reclamam da perda de memória, principalmente relacionada ao estresse em época de vestibular, já que, entre as principais causas de déficit de memória em jovens estão a falta de concentração secundária ao estresse, depressão, ansiedade e distúrbios do sono.

A perda de memória recente pode colocar o idoso em diversos tipos de riscos, segundo alerta Daiane. “A perda de memória prejudica, em primeiro lugar, a segurança. Eles esquecem o fogão aceso, o gás ligado e correm o risco de poder provocar um curto-circuito”, diz.

As pessoas que sofrem de esquecimento também correm o risco de se perder. Outro malefício é a perda da independência – “seja para lidar com as próprias finanças ou fazer uma atividade sozinho. Isso implica muito na autonomia e na independência do idoso.”

 

Quer saber mais sobre a saúde dos idosos no Brasil? Acesse: https://centrape.org/blog/saude/

Ou então, você também pode entrar em contato conosco:

[email protected]

0800 770 9696 – Central de Atendimento 24hrs

0800 770 4747 – Ouvidoria

Acesse também:

Instagram: https://www.instagram.com/centrape.aposentados

Facebook: https://www.facebook.com/centrape

You may also like